sábado, 5 de maio de 2018

Arte portuguesa na Exposição Universal de 1900

Entre os pintores expostos, Columbano Bordalo Pinheiro (1857-1929), do qual o Museu d'Orsay possui hoje uma natureza morta, recebe uma medalha de ouro pela sua "Soirée chez lui", tela realista pintada em Paris, representando um grupo de melómanos num salão burguês.

Paris, vue panoramique de l'Exposition Universelle de 1900.
Image: Sempervirens

Mas a exposição termina com uma catástrofe: todos as obras apresentadas estão reunidos no mesmo navio, o Saint-André, que naufragou no caminho de volta. Uma "meia dúzia de obras-primas", incluindo um retrato de Eça de Queiroz, por Columbano, afundaram-se assim ao largo de Sagres. (1)

Soirée chez lui ou Concerto de amadores, Columbano, 1882.
Da esquerda para a direita:
Maria Augusta Bordalo Pinheiro, Adolfo Greno, um cantor italiano, Josefa Greno e Artur Loureiro ao piano.
Imagem: MNAC

PEINTURES ET DESSINS

Dom Carlos 1°, roi de Portugal.
1. Le Lever des filets d’une Madrague; pastel.

O levantar de uma armação do atum (Algarve), D. Carlos de Bragança, 1899.
Imagem: Hemeroteca Digital

Alto Mearim (D. Maria Luisa do).
2. Fileuse du Minho; pastel.
3. Etude; pastel.

Alto Mearim (Comtesse du).
4. La Bible.
5. Poveretta.
6. Portrait de M. de V.
7. Sœur Marianne; pastel.

Soror Mariana, Condessa do Alto Mearim.
Imagem: Branco e Negro, 17 de maio de 1897

Assis (D. Branca).
8. La Mère Amélie.

A tia Aurélia, Branca Assis.
Imagem: Branco e Negro, 17 de maio de 1897

Barbosa (Albino Pinto Rodrigues) .
9 à 11. Portraits; peintures sur faïence.

Bandeira (D. Laura Sauvinet).
12. Victor Wagner, luthier portugais.

Victor Wagner no seu atelier, Laura Sauvinet Bandeira.
Imagem: Branco e Negro, 17 de maio de 1897

Bordallo Pinheiro (D. M. A.).
13 à 15. Fleurs.

Braga (D. Emilia Santos).
16. Sœur Marianna.
17. Endormi.
18. Rêverie.
19. Varina, marchande de poissons.

Brito (José).
20. Martyre du fanatisme.

Mártir do fanatismo, José de Brito, c. 1895.
Imagem: MNAC

21. La fable et la vérité.
22. Portrait de M. le comte de L.

Carneiro Junior (A. Texeira).
23. Portrait de R. C.
24. Portrait de A. C.
25. L’Amour.
26. La Source du Bien.

Columbano (Bordallo Pinheiro).
27. Vins et fruits.
28. Saint Antoine de Lisbonne.

Santo António de Lisboa, Columbano, 1898.
Imagem: do Porto e não só...

29. La Tasse de thé.

A chávena de chá, Columbano, 1898.
Imagem: MNAC

30. Portrait de l'acteur J. Rosa.

Retrato do actor João Rosa, Columbano.
Imagem: Ruas de Lisboa...

31. Portrait de l’acteur Taborda.
32. Portrait de M. Eça de Queiroz.

Arte Pintura Columbano Retrato de Eça de Queiroz 01 .jpg
Imagem: MatrizNet

33. Portrait de M. le comte d'Arnoso.
34. Portrait de M. Joao Barreira.

Professor João Barreira, Columbano Bordalo Pinheiro, 1900.
Imagem: Wikimedia

35. Portrait de M. Trindade Corelho.

Retrato de Trindade Coelho, Columbano, 1898.
Imagem: MNAC

36. Portrait de M. H. de Vasconcellos.

Condeixa (Ernesto Ferreira).
37. Vasco de Gama devant le Samorim de Galicut.
38. Portrait de M. Prosper Lasserre.
39. Portrait de l’Auteur Cunha (Antonio Candido da).
40. Dolmens.
41. Coquelicots.
42. Viatique (effet de nuit).

Gameiro (Alfredo Roque).
43 à 47. Aquarelles.

Guedes (Alfredo).
48 à 50. Aquarelles.

Keil (Alfredo).
51. Études.
52. Motifs du Nord du Portugal.

Loureiro (Arthur).
53. La Vision de saint Stanislas Costha.

Malhoa (José)
[v. O Grémio Artístico (7.ª exposição, 1897)].
[v. Provocando: Paris 1900 – L'Exposition Universelle]
54. Les Potiers.

55. A blanchir le linge.
56. Les Boulangères.

As Padeiras, Mercado em Figueiró, José Malhoa 1898.
Imagem: Wikimedia

57. Le Professeur titulaire de chaire.
58. Portrait du prieur de Constancia.
59. En voyant passer le train.

À passagem  do comboio, José Malhoa, 1896.
En voyant passer le train, gravura de Charles Baude, segundo o quadro perdido de Malhoa.
Imagem: Provocando

Mattoso da Fonseca (Joao G.).
60. Portrait de Mme. Mattoso da Fonseca.

Moura (Edouardo de).
61. Gardeuse de vaches.

Munrô (D. Fanny).
62. Marée montante.

Nogueira (D. Leonor da Silva).
63 et 64. Portraits sur porcelaine.

Pinto (Alberto).
65. Retour de la ville.
66. Gardeuse d’oies.
67. Intérieur breton.

Pinto (Manuel-Henrique).
68. Pâturage des porcs.

Pâturage des porcs, Manuel Henrique Pinto.
Imagem: Catalogue officiel illustré de l'Exposition

Prat (Arthur).
69. En songeant à lui.
70. La Pèche de la bucarde.
71. Dans un atelier de photographe.

Ramos (Julio).
72. Récolte de maïs.
73. Ecole buissonnière.
74. Crépuscule.
75. Rentrée des bateaux.
76. Effet du couchant.

Reis (Carlos).
77. Mme. M. M.

Mme. M. M., Carlos Reis.
Imagem: Catalogue officiel illustré de l'Exposition

78. Portrait de ma mère.

Retrato de minha mãe, Carlos Reis.
Imagem: Catalogue officiel illustré de l'Exposition

79. Portrait de ma mère.

Retrato de minha mãe, Carlos Reis.
Imagem: Hemeroteca Digital
80. Matin à Clamart.

Manhã em Clamart, Carlos Reis, 1889.
Imagem: MatrizNet

81. Dans la prairie.
82. L’Automne.
83. Coucher de soleil.

Ribeiro (Arthur B. S.).
84. Tambour d’infanterie; aquarelle.

Ribeiro (Eduardo Teixeira Pinto) .
85. Dévotion.

Rio (Jules, Vsse. de Sistello).
86. La Fin d’une ondine.
87. Rose de Noël.
88. Irène.
89. L’Anniversaire.

Rodrigues (Adolpho).
90. La Gardeuse.
91. Sabotiers bretons.
92. Paysage breton.
93. Jeunesse.
94. Portrait de Mme. la baronne do S. C.

Salgado (José Vellozo).
95. Jésus.
96. Vasco de Gama au Samorim de Calicut.

Vasco da Gama perante o Samorim de Calecute, Veloso Salgado, 1898.
Imagem: Wikipédia

97 à 102. Portraits.
103. Portrait de Mme. Mouchon.
104. Portrait du Dr. Mello Vianna.

Santos (D. Laura). 
105. Une consultation.

Santos (D. Virgina).
106. Les Sardines.

Silva (José Silva d’Almeida e).
107. Chez le bon papa.
108. Que ton nom soit béni.
109. Après le repas.

Silva Nogueira (D. A. Pinto Leite).
110 et 111. Portraits sur porcelaine.
112. Objet de fantaisie.

Souza Pinto (José-Julio de).
113. Le Chant de l’Alouette.
114. Dans l'eau.
115. Chloé enfant.

Chloé enfant, Souza Pinto.
Imagem: Catalogue officiel illustré de l'Exposition


116. Les Châtaignes.

Les chataignes [As castanhas], Souza Pinto.
Imagem: Catalogue officiel illustré de l'Exposition

117. Au coin du feu.

Au coin du feu [À lareira], Souza Pinto.
Imagem: Catalogue officiel illustré de l'Exposition

118. La Forge.
119. Le Retour des bateaux.

A volta dos barcos, Sousa Pinto, 1891.
Imagem: Douta melancolia

120. L’Été à Vizella.
121. Les Mousses.
122. Le Scorff.

Torquato Pinheiro (A. José).
123. La Récolte de maïs. 

Paris, Grand Palais, plan du rés-de chaussée, 1900.
Imagem: Internet Archive

SCULPTURE

Alves (Venancio P. M.).
1. Médailles.

Costa (Thomas F. d’Araujo).
2. Dans la Forêt.
3. La Loi chrétienne.
4. Infant D. Henrique.
5. Nymphe du Mondego.

Gouveia (F. Pereira da Silva).
6. Regret.
7. Béatrice de Portugal.
8. Portrait.
9. Médaillon.
10. La Calomnie.

Lima (Casimiro José de).
11. Médaille.

Lopes (Antonio Teixeira).
12. La Veuve.

A viúva, Teixeira Lopes, 1893.
Imagem: MNAC


13. Caïn.

Caim, Teixeira Lopes.
Imagem: Notas d'Arte, Gutenberg.org

14. Saint Isidore de Séville; bois peint.
15. La Charité.


Caridade, Teixeira Lopes, 1894.

16. Etude d’enfant.
17. La Douleur.
18. L’Histoire.
19. Portes pour l’église de Candelarra à Rio de Janeiro.
20. Tête d’étude (vieille femmê).
21. Monument Oliveira Martius.
22. Statuette.

Lopes Junior (José Teixeira).
23. Tête de gamin.

Meirelles (Joaquin Pereira).
24. Martyr.

Paris, Grand Palais, Exposition Universelle, Le Petit Journal, 1900.
Image: Artprecium

Pinto (Antonio Alves).
25. Portrait.

Rato (José Moreira).
26. Dr. Cunha Belem.

Ribeiro (Aleixo de Queiroz).
27. Dernière pensée.
28. Vasco de Gama.
29. Lisbonne.

Sá (A. Fernances de).
30. Enlèvement de Ganymède.


Paris 1900 Arte Escultura António Fernandes Sá Rapto de Ganímedes 01.jpg
Imagem: Hemeroteca Digital

31. Tête d’expression.
32. Vieille Femme.
33. La Vague.

A vaga, António Fernandes Sá.
Imagem: Catalogue officiel illustré de l'Exposition


Teixeira Lopes (José Joaquin).
34. Bas-relief.
35. Médaillon.
36. Tête de jeune Fille.
37. Christ.
38. Médaillon. (2)


(1) Agnès Pellerin, Les Portugais à Paris: au fil des siècles & des arrondissements...
(2) Catalogue officiel illustré de l'Exposition décennale des beaux arts de 1889 à 1900

Mais informação:
Le Portugal à l'Exposition
Notice concernant le Portugal à la Exposition Universalle de 1900
Chefs d'oevre, Exposition universelle internationale de 1900
José de Figueiredo, Portugal na Exposição de Paris, 1901
Notas d'Arte, 1906
José-Augusto França, L'Art dans la société portugaise au XIXe siècle, 1964
L'Exposition 1900 : renseignements pratiques sur Paris et l'Exposition

quarta-feira, 25 de abril de 2018

Descripção topographica de Villa Nova de Gaya

Foi sim, fundador desta Villa, que é situada na província do Douro, o Senhor Rei D. Affonso 3.° Conde de Bolonha que lhe deu o nome de Villa Nova, para a distinguir da Villa Velha ou Gaya a Velha, que lhe fica próxima. 

Viaje de Cosme de Médicis por España y Portugal (1668-1669), Pier Maria Baldi.
Imagem: Biblioteca Nacional de Portugal

Além de ser o seu fundador, deu-lhe também carta de foral, enriquecendo-a com muitos privilegios e isempções, e aos seus habitantes; pois tinha esta Villa em muita estimação e apreço: e mandou que se fizesse n’ella a descarga e despacho de todas as mercadorias e fazendas que entrassem pela barra, ou viessem de cima do Douro, para cujo fim poz aqui officiaes seus: e tudo isto para auferir os rendimentos que d’ahi provinham ao Bispo e Cabido da Cidade do Porto, com o qual contendia por causa da jurísdicçâo temporal, que o Bispo então fruia, porque tinha o senhorio da Cidade em virtude d’antigas doações, como se deixa vêr do catalogo dos Bispos do Porto — Parte 2. a pag. 58 e 65. 

Viaje de Cosme de Médicis por España y Portugal (1668-1669), Pier Maria Baldi.
Imagem: Biblioteca Nacional de Portugal

El-Rei D. Diniz, appellidado o Lavrador, confirmou depois em 1288 o foral, que seu Pai D. Affonso 3.° havia dado a esta Villa, e a ampliou, e erigiu também em cathegoria de Município. 

Porto, pintura no Arquivo Histórico Municipal do Porto, H. Duncalf, 1730-1733.
Imagem: do Porto e não só...

Oporto, Gravura H. Duncalf/William Henry Toms, 1736.
Imagem: Arquivo Municipal do Porto

Foi ullimamente confirmado por El-Rei D Manoel. Depois de uma alternativa de successos, já prosperos, já adversos, cujo detalhe demandaria um maior volume, passou com todo o Reino de Portugal para o intruso governo do usurpador da Europa pelo falar decreto do l.° de Fevereiro de 1808, e ultimamente para o do seu desejado e legitimo Soberano no faustíssimo dia 18 de Junho do mesmo anno. 

Zona ribeirinha Serra do Pilar Cidade do Porto, Teodoro de Sousa Maldonado, 1789,cf. Descripção topografica, e historica da Cidade do Porto..., Agostinho Rebello da Costa
Imagem: Biblioteca Nacional de Portugal

Succumbiu de novo ao jugo francez no infausto dia 29 de Março de 1809  mas logo no dia 12 do seguinte Maio, foi com a Cidade do Porto gloriosamente restaurada pelo exercito anglo-lusitano ás ordens do Duque da Victoria, o famoso lord Wellington. 

Areal do Cabedelo Barra do Douro S João da Foz etc., Teodoro de Sousa Maldonado, 1789,
cf. Descripção topografica, e historica da Cidade do Porto..., Agostinho Rebello da Costa
Imagem: Biblioteca Nacional de Portugal

O espolio que do Porto e Villa Nova extrahiram os francezes em numerário, joias, alfaias preciosas e em todo o genero de mercadorias, é incalculável: uns o sobem a vinte milhões de cruzados, outros a quarenta e alguns ainda a mais; sem fallar no que elles dilaceraram, e destruiram, ou incendiaram, como por exemplo porcellanas, moveis, bibliothecas, etc. etc. 

Perspectiva da entrada da barra da cidade do Porto, Manuel Marques de Aguilar, 1791.
Imagem: Arquivo Municipal do Porto
Que barbaridade! Foi porém cousa notável, que apenas no nosso turvo horisonte despertou o clarão da liberdade, dissiparam-se logo todas as sombras, e á mais horrorosa borrasca succedeu a maior serenidade.

Vista da entrada da barra da cidade do Porto (grav. horiz. invertida), Manuel Marques de Aguilar, 1791.
Imagem: Arquivo Municipal do Porto

Baste para prova que no decurso de mez e meio , que os francezes occuparam o Porto, entraram n'elles só tres vasos, e estes ao engano; e em outro igual periodo, quero dizer, desde 25 de Junho , em que entrou um comboy inglez, até 10 d'Agosto inclusive, entraram 156, que fizeram resurgir o commercio e abandancia. 

Vista da cidade do Porto desde a Torre da Marca até às Fontainhas, Manuel Marques de Aguilar, 1791.
Imagem: Arquivo Municipal do Porto

Esta mesma prosperidade renascente se fez logo sentir em todos os mais ramos: sendo então o immortal Jorge 3.°, e depois seu Augusto Filho o Príncipe Regente do Reino Unido os gloriosos instrumentos de que a Providencia se serviu para completar a grande obra da nossa independencia. 

Oh! Soberanos incomparáveis e verdadeiros Numes Tutelares nossos! a minha alma extasiada ao notar vossas em prezas, vos admira, vos bemdiz, e vivamente penetrada de vossos benefícios preclaros vos tributa um holocausto, de vós sómente digno, publicando sem cessar, que se livres respiramos, a vós é que o devemos.

Limitada ao Norte pelo soberbo Douro, e ao nascente, sul, e poente pelos amenos montes de Quebrantões, Choupello e Gaya ella se dilata por um pequeno valle, que sendo ha um século sufficiente para abrangel-a, foi depois obrigado em razão dos seus progressos a permittir, que ella ultrapassasse aquellas barreiras naturaes, e se estendesse ao nascente até o Mosteiro da Serra, ao poente até o sitio do Cavaco, e ao sul alé o Senhor do Padrão, distante da praia quasi meia legoa.

Passage of the Douro [travessia do Douro em Avintes, 12 de maio de 1809].
Imagem: Biblioteca Nacional de Portugal

Attribuem-se a este Monte [Gaya] algumas antigualhas, que com razão merecem ser notadas:
— l.a que sobre elle fundaram os Romanos o antigo castello de Cale 

— 2.a que n’elle fora martyrisada Santa Liberata, ou Wilgefort, uma das nove Santas Irmãs gemeas — 3.a o rapto da Princeza Zahara, por El-Rei Ramiro 2.° de Leão. no anno de 932.

Pelo que toca á primeira, não padece duvida ser Cale do tempo dos Romanos, como se prova do itenerario de Antonino na via militar, que de Lisboa sahia para Braga, a qual segundo o padre Argote, Castro e outros, era do modo seguinte: 

Nome antigo: Jerabrica, Scalabim, Cellium, Conimbriea, Eminium, Talabrica, Langobrica, Cale, Brachara;
Nome novo:
Alemquer, Santarém, Crice, Condeixa a Velha, Agueda, Aveiro, Feira, Gaya, Braga;
Pés geométricos: 30#, 32#, 32#, 34#, 40#, 10#, 18#, 13#, 35#.


Da palavra Cale junta á de Portus se derivou depois o glorioso nome de Portugal, e o castello de que ainda ha vestígios, foi no tempo do Snr. D. João 1.° arrazado pelos Portuenses, escandalisados das depredações que a sua guarnição fazia. 

ADDITAMENTO.

Foram agora totalmente apagados os vestígios deste antiquíssimo castello [de Cale]. Depois que D. Pedro, Duque de Bragança, tendo desembarcado com o Exercito Libertador nas praias do Mindello, em 8 de Julho de 1832, e entrado na Cidade do Porto no dia 9 do mesmo, para o fim de collocar no Throno sua Filha a Senhora D. Maria 2.a , conheceu que tinha de luctar com uma resistência forte da parte das tropas de seu Irmão D. Miguel, as quaes elle tinha erradamente supposto que ao  se lhe uniriam, logo que chegasse a Portugal, cuidou sem demora em fazer levantar uma linha de fortificação á Cidade do Porto, para se refugiar n’ella, e esperar alli a sorte das armas; porque achava n'aquella Cidade as melhores e mais favoráveis disposições, o amor e dedicação dos seus habitantes, e abundancia de todos os recursos, necessários ao seu projecto de revindicar pela força os direitos que seu Irmão lhe havia usurpado.

Narrative of the expedition to Portugal in 1832
under the orders of His Imperial Majesty Dom Pedro Duke of Braganza.
Imagem: Biblioteca Nacional de Portugal

Por quanto D. Miguel recusando o consorcio com sua Sobrinha, pactuado no contracto de Vienna d’Austria, em virtude do qual tinha regressado do seu exilio em 22 de Fevereiro de 1828 com o titulo de Logar-Tenente e Regente do Reino, que D. Pedro lhe conferira pelo decreto de 3 de Julho de 1827, se fizera acclamar Rei, e occupava n’essa qualidade o throno de Portugal, a que o elevaram os Tres Estados do Reino — Clero, Nobreza e Povo — convocados por elle em cortes na Cidade de Lisboa, nas quaes decidiram pelo seu acto de 25 de Julho de 1828 em favor delle a questão da successão ao Reino por morte de seu pai D. João 6.°, fundando-se para isso no direito publico portuguez, estatuido nas cortes de Lamego de 1143, e nas de Lisboa de 1641.

Plano topographico da cidade do Porto impresso em Londres em 1813, e continuado aos seus suburbios em 1832 (detalhe). Imagem: Biblioteca Nacional de Portugal

Porém como este governo se fizesse depois muito odioso pelos seus actos tyrannicos e sanguinários, tão contraditórios com as idéas do século presente, com o seuso coramum, e com o actual systema governamental da Europa, indispoz de tal modo contra elle toda a Nação Portugueza, que esta de bom grado se uniu á causa de D. Pedro, a quem anciosamente esperava, para se libertar d’aquelle jugo, e só desejava a melhor opportunidade, em que podesse dar uma demonstração publica dos seus sentimentos.

Plano topographico da cidade do Porto impresso em Londres em 1813, e continuado aos seus suburbios em 1832 (detalhe). Imagem: Biblioteca Nacional de Portugal


Assim, tractou-se logo de dar principio ao plano de fortificações; e para esse fim. foram escolhidas em Villa Nova de Gaya as duas eminências mais salientes de Gaya e Serra do Pilar, como pontos capitaes para a defeza da Cidade do lado do sul.

Convento da Serra do Pilar em Vila Nova de Gaia, James Holland, 1838.
Imagem: Palácio do Correio Velho

Para logo se começaram em ambas os referidos trabalhos, que continuaram com grande actividade na Serra do Pilar, que foi reputada — ponto militar de primeira ordem, ao contrario no castello de Gaya, o qual, conhecendo-se depois, que era roto, ou flanqueavel, foi abandonado, e arrazadas todas as obras alli começadas — ficando-lhe só o nome de Castello, que nunca perdeu, porque este nâo lhe vinha do facto presente, mas de outros suc- cedidos em éras muito remotas.

Gaia, Convento da Serra do Pilar visto do Aqueduto do Sardão, Gualtieri.
Imagem: Cabral Moncada Leilões

No decurso deste memorável cerco, que as tropas de D. Miguel pozeram á Cidade do Porto, e que tendo começado no dia 8 de Setembro de 1832, só foi levantado em 18 d'Agosto de 1833, como ellas recebessem gravissimo damno das baterias da Serra, cuidaram em fazer um reducto no dito Castello com o duplicado fim de neutralizar os effeitos deste baluarte, e ao mesmo tempo atacar a Cidade por aquelle lado, e de um ponto mais immediato. 

Conhecido o projecto, tractou-se logo de fazer callar aquelle reducto, o que se conseguiu, assestando baterias do lado Meridional da Cidade, e nos pontos mais proximos e fronteiros do mesmo reducto; e estes foram o Paço do Bispo, o largo das Virtudes e o alto da Victoria.

Com effeito, estas dirigiram sobre o castello um fogo tão vivo, e aturado, que produziu alli a mais cruel matança, a ponto de lhes ser necessário sortear cada dia os artilheiros, de que se compunha a sua guarnição, que d'outro modo recusavam prestar-se a tal serviço: até que por fim cançados já de tanto estrago de gente e munições, e desenganados também , que debalde esperavam o supposto resultado, abandonaram aquelle ponto cornpletamente.

Gaia Panorâmica da parte marginal de Gaia, Gonne, Jennings, (1830-1831).
Imagem: Porto, de Agostinho Rebelo da Costa aos nossos dias

Depois da guerra, reconstruiram-se alli as casas, que ella destruiu; e edificaram-se outras: e o campo em que se tinham dado casos pró e contra a Cidade do Porto, e aonde existira aquelle celebre e antigo Castello, mais antigo que ella, foi finalmente vendido e reduzido á cultura.

Perspectiva das margens do Rio Douro subindo-se para a Cidade do Porto, G. Kopke dei. Porto, 1827.
View of the banks of the River Douro on approaching the City of Oporto C G. Hammer sculp. Dresden.
Imagem: Royal Museums Greenwich

Este campo é hoje propriedade do Illm.° José Pinto da Costa, natural d’esta Villa, seu terceiro possuidor. 

Emquanto á 2. a antigualha, ainda não se tendo por apocripho aquelle maravilhos do parto, creio que o martyrio da Santa, no dito sitio, merece tanto credito, como o que dá o padre [Daniel] Papebroquio a certa relíquia singular, que em seu tempo se mostrava na cathedral d'Antuérpia, e de que o leitor póde ver o nome (que calo por modéstia) no diccionario dos homens illustres da edição de 1804 — verbo Papebroquius. 

A courier from Lisbon to Oporto, James Murphy, 1797.
Imagem: Biblioteca Nacional de Portugal

Pelo que respeita á 3.a finalmente julgo-a da mesma tempera, que a 2. a , apesar de a referirem A. A. graves, e com mais extensão, que nenhum, a nóssa celebre portuense D. Bernarda Ferreira de Lacerda, no seu poema da Espanha Libertada. T. 1. ° Cant. 6. °. (1)


(1) TOPOGRAPHIA E HISTORIA DE VILLA NOVA DE GAYA [...]
OFFERECIDA A S. A. REAL O PRÍNCIPE REGENTE N. S. POR
João Antonio Monteiro d'Azevedo
[...] agora grandemente accrescentada com extensos additamentos [...] que foi até o anno do 1832,
e o que he actualmente POR
Manoel Rodrigues dos Santos
Natural da mesma Villa
PORTO - 1861